Início > Aquariofilia, Notícias > Viagem de pesquisa da AQUORIO/CEA ao Alto Rio Negro

Viagem de pesquisa da AQUORIO/CEA ao Alto Rio Negro

Brevíssimo resumo da viagem dos pesquisadores da AQUORIO/CEA ao Alto Rio Negro.

A viagem foi extremamente positiva e superou as nossas expectativas e os conhecimentos adquiridos foram relevantes e imensuráveis.

Vista Parcial do Rio Negro

Participaram da pesquisa Wilson Vianna, o engenheiro de pesca Mario Porto, o zootecnista Jonas e o Aquariofilista Edmar Schnabl. Foram quase dez dias no alto rio negro, afastados mais de 1000 kilômetros de Manaus.

Participantes da Pesquisa

Nossa base de pesquisa foi uma comunidade de ribeirinhos (piabeiros), que sobrevivem da pescaria de peixes ornamentais chamada de “Daracuá”, as margens do rio Itu, afluente do alto rio Negro.

A comunidade de Daracuá

Convivemos e entrevistamos vários piabeiros e conhecemos os problemas sociais que estão afetando-os, em face à diminuição da procura dos peixes ornamentais, por parte dos exportadores.

Piabeiro

Para chegar à comunidade de Daracuá foram necessárias mais de 24 horas a partir de Manaus. Inicialmente embarcamos numa barca a jato, em Manaus, ás 15 horas do dia 21 e chegamos ao Município de Barcelos às 2h: 35m do dia 22.

Barca a Jato

Município de Barcelos

Em Barcelos uma nova embarcação esperava-nos e, nesta ultima, dormimos em redes e às 8h: 35m do dia 22 voltamos a navegar subindo o rio Negro e chegamos ao Rio Itu – comunidade de Daracuá às 21h: 00m, nossa “base afastada e local de pesquisa”.

Barco Suporte da Pesquisa

Participamos, junto com os ribeirinhos da pescaria de discos, neons, rodostomus, borboleta, bodós, corydoras, entre outros, conhecemos seus habitat.

Pescaria

A água do biótopo do neon cardinal apresenta-se da cor de chá, no entanto, é transparente. O substrato é composto – por mais de quinze centímetros – de matéria vegetal em decomposição; folhas e troncos. Trata-se de igarapé onde a mata foi inundada. Árvores no meio do igarapé oferecem refúgios aos cardinais. Foram registrados os seguintes parâmetros físico-químicos: pH 4.5; GH 1.0; nitrito, nitrato e amônia 0 (zero), temperatura 28 graus, transparência (disco de Secchi) 3 metros.

Pescando Neon Cardinal

Estudamos intensivamente os parâmetros físico-químicos e biológicos de cada biótopo, como também, coletamos água e trouxemos para estudos mais detalhados.

Testando Parametros

A água do biótopo do acará disco e bandeira, também é cor de chá, o substrato é composto de matéria vegetal em decomposição; folhas e troncos. O local tem muitas árvores e troncos sob a água.

Habitat do Acará Disco

Foram registrados os seguintes parâmetros físico-químicos: pH 5.0; GH 1.0; nitrito, nitrato e amônia zero, temperatura 28 graus, transparência (disco de Secchi) 3 metros.

Biotopo do Acará Disco

Em Manaus ficamos hospedados na casa da doutora Anete Rubim, diretora do departamento de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Manaus.

Pesquisadores

Na quinta feira, dia 27, eu e o Mario Porto ministramos palestras, para Engenheiros de pesca, graduandos de Limnologia daquela universidade, bem como representantes de órgãos de pesquisa entre eles a Embrapa. Wilson ministrou a palestra intitulada “Uma visão crítica da situação atual da Aquicultura Ornamental no País”.

Palestra - Wilson Vianna

Nosso companheiro Mario Porto ministrou a palestra intitulada: “A cadeia Produtiva dos peixes Ornamentais”.

Palestra - Mario Porto

Desta forma a AQUORIO se fez presente naquela universidade. Ambas as palestras geraram debates de alto nível, pois entre os participantes havia doutores, mestres, pesquisadores, etc, e a AQUORIO, em face à diversidade acadêmico/científica de seus pesquisadores, atualmente é uma das poucas entidades que está habilitada para discutir o intrincado contexto que afeta a atividade de peixes ornamentais em nosso país.

O trabalho que realizamos será objeto de artigos e palestras que em breve serão divulgados para todos.

Foram feitos mais de 1000 registros fotográficos, A seguir mais algumas fotos:

Viagem Barcelos a Manaus

Família de Piabeiros

Boto cor de rosa

Hoplarchus psittacus

Casa do Piabeiro

Casa do Piabeiro

Família de Piabeiros

Projeto Piaba

Habitat do Neon Cardinal

Viveiro

Cardinais Capturados

Pescaria do Tucunaré

Arraia

Acará Disco

Biotopo do Acará Disco

Veja todas as fotos em tamanho maior aqui.

Créditos: Wilson Vianna

  1. Carlos
    04/11/2011 às 2:52 PM

    Não é um Geophagus brasiliensis …HOPLARCHUS PSITTACUS
    abraço

  2. 04/11/2011 às 10:25 PM

    Carlos :

    Não é um Geophagus brasiliensis …HOPLARCHUS PSITTACUS
    abraço

    Caro amigo Carlos,

    Você esta certo sobre o erro na descrição da foto, cuja qual saiu com a descrição “Geophagus brasiliensis” quando na verdade deveria ser “Hoplarchus psittacus”. Inclusive, já foi providenciada a correção.

    Em nome da Associação de Aquicultores Ornamentais do Estado do Rio de Janeiro – AQUORIO, do Centro de Estudos de Aquariofilia – CEA e do Blog Aquarismo Ornamental venho agradecer a sua colaboração e afirmar que estamos a disposição para quaisquer outras sugestões.

    Abraços.

  3. Luiz Augusto Nunes
    10/01/2012 às 3:15 PM

    Grande John, sempre nos surpreendendo. E pensar que agora estou morando bem perto de Barcelos… São Gabriel da Cachoeira fica mais acima do Rio Negro, porém por aqui não existe esta atividade extrativista, salvo melhor juízo. Neste mês, na última semana de janeiro, acontece em Barcelos o festival do Peixe Ornamental, com exposição das espécies coletadas localmente.

    Um grande abraço.

  4. 13/06/2013 às 6:37 PM

    É INCRÍVEL QUE AINDA HÁ ACARAS DISCOS NA AMAZONAS CHEGARA UM TEMPO QUE ESSE PEIXE NÃO EXISTIRÁ NA AMAZONAS POIS ESTÃO VENDENDO PARA LOJAS DE ANIMAIS ISSO É TRISTE POIS PERDEREMOS OS DO SEU HABITAT .

  5. Diego Miguel
    17/03/2014 às 5:21 PM

    Pelo contrário Fábio, vendendo e reproduzindo as espécies em cativeiro pra continuação da fauna brasileira!

  6. Diego Miguel
    17/03/2014 às 5:29 PM

    Porque o Papagaio verdadeiro HOPLARCHUS PSITTACUS é tão caro aqui no Pais sendo nacional? É tão abundante em nossos rios amazonicos e vendido por 700,800 reais cada que absurdo!!

    Em Portugal o peixe é vendido por 200 reais como pode se é nosso?Ainda vivemos a exploração do Brasil colônia em nossas terras que M…..

  7. Carlos
    01/12/2014 às 1:08 PM

    OLá! Eu já fiz coletas (depois soltava os peixes de novo) 2 vezes no Rio Negro e no Solimões e posso te dizer que o papagaio verdadeiro não é um peixe abundante nos rios, só conseguimos pegar 2, enquanto que “Cichlasoma” amazonarum, Mesonauta insignis, Hypselecara coryphaenoides e Heros efasciatus eram muito abundantes. Já Acaronia nassa, Aequidens pallidus e Satanoperca sp. ocorriam em números menores. Falei com um coletor de peixes da região e ele me disse que conseguia pegar no máximo de 50 a 100 papagaios por ano. Parece-me que o papagaio é um peixe do topo da cadeia alimentar, daí o fato de ocorrer em menor número. Abraços

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: