Início > Dicas > Trocas de Água e Betteiras

Trocas de Água e Betteiras

Um dos problemas na reprodução de Betta splendens que sempre me incomodou foi observar um desenvolvimento pouco satisfatório, muitos dizem ser natural, mais acabava incomodando bastante quando olhava fotos de belos bettas com 3 meses de idade já fazendo ninho e com o triplo de tamanho dos meus.

Todo mundo fala em TPA, mais o risco mora justamente aí.

TPA (troca parcial de água) parece simples, mais não entendia mesmo fazendo isso de dois em dois dias meus bettas não se desenvolviam bem e sempre tinha bettas arriados no fundo da betteira, não aceitei e fui pesquisar pra ver onde estava meu erro.

Hoje posso afirmar que estou MUITO satisfeito com os RESULTADOS, bettas super-ativos, e deixei de usar remédios.

O erro é justamente na TPA o que acontece é que o resto de alimento juntamente com excremento dos bettas (fezes e urina) elevam o parâmetro AMÔNIA.

Esse problema tem duas situações:

AMÔNIA NÃO TÓXICA que incomoda o betta deixando ele arriado triste no fundo das betteiras, baixando sua imunidade que logo é atacado por doença, e a primeira que aparece é Oodiniun.

AMÔNIA TÓXICA que mata o peixe em poucas horas.

Pesquisando descobri o seguinte: pH acima do neutro (alcalino) a amônia nessa faixa de pH é TÓXICA e o pH abaixo do neutro (ácido) a amônia não é TÓXICA. Muitas das vezes o nível da amônia na betteira já esta presente, e incomodando o betta, ai pensava que trocando a água parcialmente eliminava a amônia, LEDO ENGANO, pois se você elevar o pH da água 1 ponto, você potencializa a amônia ao invés de eliminá-la, isso DE FATO acontecia comigo, ai alguém vem e fala, mais é sabido que tem que se medir o pH. Mesmo medindo nossos olhos as vezes falham, achando que as cores da tabela estão iguais, diferença de PONTO em pH creio que seja difícil perceber.

Resolvi mudar e me surpreendi, passei a fazer TTA (Troca Total de Água).

É impressionante a diferença de comportamento, de crescimento e principalmente de saúde. Lembrando que É NECESSÁRIO sempre verificar o pH na hora da troca, muito embora neste caso um erro de diferença pequena de pH não vai fazer o betta ficar triste.

O meu manejo agora é o seguinte, chego em casa depois do serviço, ofereço artêmia congelada (de boa procedência) em boa quantidade, deixo eles se fartarem por 40 minutos e depois troco a água TODA, dormem com água fresquinha limpinha e com ZERO DE AMÔNIA. Antes de ir trabalhar uma ração de leve, pra não sobrar.

Façam isso, façam esse teste e vejam o resultado. Hoje estou com bettas de menos de 3 meses já fazendo ninho e caçando briga com os mais velhos na betteira ao lado.

 

Créditos: Francisco Silveira Junior – Analista de Sistema, com Especialização em Banco de Dados, apaixonado por aquariofilia desde os 13 anos de idade, há dois anos como criador de Bettas ao lado de sua esposa Eliane – Psicóloga com Pós em Gestão de Pessoas, atualmente fazendo Betta-Terapia.

“Fazendo, errando, insistindo e mudando…”

Tags:
  1. Roberto Godinho
    17/08/2011 às 2:24 PM

    Tem razão. As trocas devem ser totais nas beteiras. Pelo motivo que expoe. Ratifico integralmente sua posição.

  1. 06/09/2011 às 1:18 PM

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: