Arquivos

Archive for the ‘Textos’ Category

Bettas e Guppies tem o mesmo comprimento. Verdadeiro ou falso?

Há alguns meses eu inventei de, também “brincar” de criar Betta. Desde este inusitado dia, eu tenho lido e estudado as regras e padrões de julgamento da International Betta Congress (IBC) e do Encontro Nacional de Criadores de Bettas (ENABETTAS). Hoje, por simples curiosidade, resolvi desenhar e fazer comparações com os tamanhos e formatos dos Guppies (Poecilia reticulata) e dos Bettas (Betta splendens) machos de nadadeiras longas e tive uma agradável surpresa.

A IBC é uma das maiores e mais respeitadas organizações de Betta. Muitos criadores adotam-na e criam seus peixes de acordo com os seus “Standards” (“padrões”, se traduzido para o nosso português). Para os Guppies, posso dizer o mesmo da International Fancy Guppy Association, coincidentemente ou não, ambas fundadas nos Estados Unidos, nos anos 60.

Pesquisando as regras das organizações citadas, cheguei às seguintes medidas:

Nadadeira Dorsal: Betta: 0,75”. Guppy: 0,32”;
Nadadeira Anal: Betta: 0,75”. Guppy: esta nadadeira, em conjunto com as nadadeiras ventrais, são modificadas, tornando-se seu órgão reprodutor (Gonopódio);
Corpo: Betta: 1,5”. Guppy: 1,25”;
Nadadeira Caudal: Betta: 0,75”. Guppy: 1,25”.

Somando o comprimento da nadadeira caudal ao comprimento do corpo do Betta, resulta-se num total de 2,25” (5,72 cm). A soma do comprimento da nadadeira caudal ao comprimento do corpo do Guppy, resulta-se num total de 2,5”, porém 0,25” de uma das extremidades da caudal do Guppy, encontra-se virtualmente dentro do pedúnculo caudal. Ao finalizar este cálculo, o comprimento total do corpo do Guppy também é de 2,25” (5,72 cm).

Delta Tail Guppy Judging Standards

Para a surpresa de alguns leitores e criadores, o comprimento total (boca à ponta do raio central da nadadeira caudal) é o mesmo para o Betta e para o Guppy.

Alguns criadores de Betta vão contestar este artigo, dizendo que não existem Bettas tão pequenos e nem Guppies tão grandes, contudo, estes são “standards”. Peixes maiores que este padrão são desejados pelos criadores e motivos de desempate em um julgamento caso a soma dos pontos de todas outras características sejam iguais. Esta comparação foi realizada apenas sobre o comprimento total das espécies citadas – não considerando questões relativas às suas massas e forças.

Créditos:
Michel Bruno (michel@ccg.org.br / guppy.michelbruno.com) – Aquicultor desde 1992, apaixonado pela espécie Poecilia reticulata e sua variabilidade genética. Juiz de Exposições de Guppies; integrante da diretoria e da Comissão de Arbitragem da Confederação de Criadores de Guppy do Brasil (CCG); membro da International Fancy Guppy Association (IFGA) e World Guppy Association (WGA).

Betta splendens albinos

21/06/2012 5 comentários

Excelente trabalho sobre Betta splendens albino, da autoria do Prof. Wilson Vianna, com base científica, procedimentos genéticos aplicados e fotos inéditas no mundo. Pela primeira vez vai ser mostrado fotos do Betta lutino (amarelo de olhos vermelhos) e do Rubino (vermelho de olho vermelho) . Esses termos nunca foram utilizados para os bettas porque nunca houve o registro até o momento.

Estratégia alimentar e densidade de estocagem para acará-disco

Excelente tese acadêmica sobre a alimentação de acará-disco (Symphysodon aequifasciata) bem como a quantidade ideal de indivíduos em um mesmo aquário.

Online Aquarium-Magazin de Fevereiro/2012

A Online Aquarium-Magazin é uma revista eletrônica gratuita, em idioma alemão, feita por aquaristas para aquaristas de forma livre e independente. A edição de Fev/2012 já está online disponível para download.

Online Aquarium-Magazin de Fevereiro/2012

Nesta edição:

  • Die Aquaristik von Anfang an bis heute aus meiner Sicht (Teil 3)
  • Von 0 auf 2600 Liter Wasser in 4 Jahren
  • Das Artenregister der DGLZ Rundschau
  • Futterentlüftung
  • Die brasilianische Positivliste
  • Scheibchenweise
  • Literaturbesprechungen
  • Kurz berichtet
  • Pressemeldungen
  • Termine

Obs: Notem que, esta edição possuí uma matéria muito interessante sob o título “Die brasilianische Positivliste” que em tradução literal seria algo como “A lista brasileira positiva”. O texto em si, trata da lista de peixes permitidos para exportação (Nova Instrução Normativa sobre Peixes Ornamentais). Portanto, leitura recomendada!

Download;
OAM_2012_02.pdf (PDF – 34 Páginas – 13.6Mb)

Online Aquarium-Magazin de Janeiro/2012

A Online Aquarium-Magazin é uma revista eletrônica gratuita, em idioma alemão, feita por aquaristas para aquaristas de forma livre e independente. A edição de Jan/2012 já está online disponível para download.

Online Aquarium-Magazin de Janeiro/2012

Nesta edição:

  • Ein alter Bekannter: Beobachtungen zu Ancistrus spec.(Teil 2)
  • Die Aquaristik von Anfang an bis heute aus meiner Sicht (Teil 2)
  • Ungeheizte Aquaristik
  • Der Freaky Fish Club (FCC) – Ein neuer Aquarienverein
  • Der JJ-Markt in Bangkok
  • Wasser abschöpfen ohne Fische im Becher

Download;
OAM_2012_01.pdf (PDF – 33 Páginas – 15.4Mb)

Boletín Acuario Rosa 2

05/02/2012 1 comentário

Já se encontra disponível o 2º Boletim do Acuario Rosa. O boletim é em idioma espanhol e com rico material valendo a sua leitura.

Confira o conteúdo desta edição:

  • Editorial
    Mensagem dos editores
  • XVIII Convención de la SEK
    Para quem gosta de killifih, esta é a leitura recomendada
  • Neotenias
    Um breve texto sobre salamandras
  • Entrevista a Andrea Perotti
    Aquapaisagista italiano e muito conhecido no mundo do aquarismo
  • Terminalia catappa
    Antioxidantes, fungicidas, nutrientes e as propriedades antibacterianas das folhas de amendoeira
  • Cambarellus patzcuarensis
    Resistente, corajoso e com um comportamento incomum. Conheça este encouraçado em miniatura
  • Cultivo de Cryptocorine emergidas
    Provavelmente, a solução mais simples para manter uma cultura pequena de Cryptocorine emergida
  • Pantalla casera
    Faça você mesmo (FVM) a tampa para o seu aquário
  • Offtopic

 

 

Você também poderá conferir o mesmo boletim no website Issuu.

Veja também o Boletín Acuario Rosa nº 1 aqui.

Selecionando os melhores SnakeSkins

snakes-01

 

MINHA HISTÓRIA COM OS SNAKESKINS

Desde quando comecei a manter guppies, sempre gostei mais dos cobras e dos snakeskins. Lembro que na época não se encontrava facilmente em minha região cobras de qualidade e, muito menos, snakeskins. Optei por manter uns cobras amarelos mosaico do Moisés Silva, depois os cruzei com red albinos do Stephen Kwartler e criei a linhagem Albino Cobra. Isso foi em 1999. De lá para cá, mantive esses albinos cobras e adquiri outros cobras mosaicos do Paulo Bentin, do Rodrigo Ziviani e uns Half-Black Pastel Ribbon do Ayrton Carrieri, até o final de 2003.

Em 2003, adquiri as linhagens red lace snakeskin (German Red Lace Snakeskin), red albino lace snakeskin (German Red Albino Lace Snakeskin) e Filigran (Lace Snakeskin), dos criadores Luke Roebuck e Gernot Kaden, respectivamente. Posteriormente, criei em minha estufa o Red Lace Snakeskin Ribbon e agora estou cruzando meus red lace snakeskin às fêmeas neon swallow (Neon Blue Tuxedo Swallow) para criar a linhagem Red Lace Snakeskin Swallow. E também estou cruzando meus red albino lace às fêmeas neon swallow e às fêmeas red lace ribbon para criar as linhagens red albino lace ribbon e red albino lace swallow.

Enfim, quando eu estiver com essas duas últimas linhagens estabilizadas, vou começar a selecioná-las melhor para aumentar as suas qualidades.

Essa foi um pouco da minha história com os snakeskins, mas quero mesmo é falar um pouco sobre cruzamentos, padrão de cores, diferenças de cobras e snakeskins, diferenças entre lace e mosaico, etc. e principalmente dos delta lace snakeskins.

snakes-02

 

DIFERENÇAS ENTRE OS COBRAS E OS SNAKESKINS

snakes-03

A principal diferença é que os cobras possuem barras verticais no corpo, fazendo assim com que o padrão seja interrompido. Por esse motivo que os cobras não são mais aceitos na IFGA, nas classes Variegated Snakeskin e Solid Snakeskin. Os snakeskins não possuem barras verticais no corpo.

Cobra ou Tigre

snakes-04

Refere-se aos guppies que possuem duas a cinco barras verticais (Zebrinus) no pedúnculo caudal. É originário do padrão de desenhos do King Cobra e também é um termo confuso, pois em algumas regiões do Brasil e na Ásia, é usado para descrever o que o resto do mundo chama de Snakeskin. A IFGA eliminou os guppies que possuem barras verticais no pedúnculo caudal da Classe Variegated Snakeskin e da Classe Solid Snakeskin. Os mesmos competirão em sua classe de cor das nadadeiras apropriada.

Na maioria das vezes, esses peixes têm as nadadeiras mosaico (Mosaic), mas podem ser encontrados também em linhagens com as nadadeiras lace ou sólidas.

Snakeskin

snakes-05

Refere-se aos guppies que possuem padrão de “ligação de elos” ou em “forma de rosetas” em no mínimo 60% do seu corpo. Esses peixes podem ser encontrados com as nadadeiras mosaico, lace ou sólidas (Solid).

 

DIFERENÇAS ENTRE OS LACES, OS MOSAICS E OS SOLIDS

snakes-06

Lace

snakes-07

Refere-se a um fino padrão de desenhos nas nadadeiras. Na Europa chamam os peixes com essa característica de Filigran.

Mosaic ou Mosaico

snakes-08

Refere-se às nadadeiras em forma de mosaico, com manchas, desenhos ou pintas.

Solid

snakes-09

Refere-se às nadadeiras de uma cor pura, sem desenhos ou pintas. Essas nadadeiras são consideradas sólidas de cor, por isso o seu nome.

IFGA

snakes-10

As principais classes cujo machos Delta Snakeskin e Delta Cobra entram em campeonatos que seguem as regras da IFGA são:

Variegated Snakeskin; o qual pode entrar qualquer snakeskin com as nadadeiras não sólidas e os olhos pretos.

Solid Snakeskin, o qual pode entrar qualquer snakeskin com as nadadeiras sólidas e os olhos pretos.

AOC Albino; o qual pode entrar qualquer snakeskin ou cobra com os olhos vermelhos ou vinhos.

AOC Bicolor; o qual pode entrar qualquer cobra com as nadadeiras bicolores e com os olhos pretos.

Multi; o qual pode entrar qualquer cobra com as nadadeiras com três ou mais cores, e com os olhos pretos.

As principais classes cujo fêmeas Delta (triângulo), Shark Tail (tubarão) e Round Tail (redonda) entram em campeonatos IFGA são:

Fêmea Gray & Gold: o qual pode entrar qualquer fêmea snakeskin e cobra com os olhos vermelhos, vinhos ou pretos e de qualquer cor básica.

snakes-11

Abaixo vou escrever um pouco sobre a criação e manutenção das linhagens snakeskins que competem nos campeonatos que seguem as regras da IFGA:

Variegated Snakeskin

snakes-12

Todos os snakeskins variegados, isto é, que têm as nadadeiras mosaico ou lace são considerados Variegated.

Para manter o snakeskin mosaico, deve-se cruzar machos com os melhores padrões snakeskin no corpo e com as nadadeiras pintadas ou manchadas às fêmeas com as nadadeiras não sólidas, manchadas.

Para manter o lace snakeskin, deve-se cruzar machos com os melhores padrões snakeskin no corpo e com as nadadeiras mais detalhadas, com padrão lace mais fino possível e sem, ou com poucas pintas pretas (Eye Spot), às fêmeas com as nadadeiras translúcidas e sem pintas.

Nas regras e padrões de julgamento da IFGA, está escrito que o corpo e a dorsal do peixe deve ser da mesma cor da caudal. Por esse motivo, o Lace Snakeskin leva vantagem sobre os outros padrões de cores de nadadeiras. Por exemplo, se for competir um Lace Snakeskin com um Mosaic Snakeskin, ambos obtendo a mesma pontuação em tamanho, formato, condição, comportamento e simetria, o lace leva vantagem no quesito cor, pois a IFGA valoriza mais o peixe com uma homogeneidade de cores. O Mosaic é manchado ou tem pintas e desenhos maiores que o Lace, por esse motivo, o Lace é considerado mais homogêneo de cor. Observe um Lace Snakeskin de longe e você vai ter a impressão que o peixe é todo de uma cor só.

snakes-13

As fêmeas com as nadadeiras manchadas geram machos com as nadadeiras mosaico. Fêmeas com as nadadeiras translúcidas, geram machos com as nadadeiras lace. Assim como os moscows foram criados a partir do metal snakeskin, selecionando as fêmeas com as nadadeiras menos manchadas e translúcidas e mais sólidas de cor.

Uma homogeneidade de cores nas nadadeiras e no corpo é muito importante, isto é, se o peixe tem as nadadeiras amarelas (Yellow), seu corpo preferencialmente deve ter um padrão snakeskin amarelo e tudo de uma tonalidade só.

Solid Snakeskin

snakes-14

Para criar e manter os solid snakeskin, deve-se manter também as linhagens lace ou mosaic snakeskin e uma linhagem com as nadadeiras sólidas, isto é, a linhagem Green, Red, Blue, etc.

Normalmente os genes que produzem o padrão snakeskin no corpo estão no macho, ou seja, no cromossomo Y. Os genes que produzem a cor sólida das nadadeiras estão em ambos os sexos, mas principalmente nas fêmeas.

Sabendo isso, você deve cruzar machos snakeskins às fêmeas sólidas não snakeskins. Assim na F1 você terá machos snakeskins com as nadadeiras sólidas ou quase sólidas. Basicamente, a partir daí, você continua cruzando solid snakeskins às fêmeas que possuem as nadadeiras mais sólidas, preocupando-se sempre com machos que tenham no mínimo 60% de padrão snakeskin no corpo, machos com as cores da dorsal e da caudal mais parecidas possíveis, dorsal grande e larga, caudal grande e bem aberta, etc.

Fêmeas com as nadadeiras bem sólidas e homogêneas de cor, geram machos de mesmas características. Fêmeas com as nadadeiras manchadas, geram machos com as nadadeiras manchadas e fêmeas com as nadadeiras translúcidas, geram machos com as nadadeiras mosaico fino ou lace.

Lembre-se que uma homogeneidade de cores nas nadadeiras e no corpo é muito importante, isto é, se o peixe tem as nadadeiras roxas (Purple), seu corpo preferencialmente deve ter um padrão snakeskin roxo ou o mais próximo possível dessa tonalidade, e tudo de uma intensidade e densidade apenas.

Pesquise sobre os padrões de tamanhos e formatos da IFGA para melhor selecionar seus reprodutores.

AOC Albino

snakes-15

Os solid albino snakeskins e os variegated albino snakeskins entram na classe AOC Albino da IFGA.

Para essas linhagens albinas serem mantidas, deve-se preferencialmente cruzar machos de olhos pretos heterozigotos (portadores de albino) às fêmeas albinas (olhos vermelhos) ou cruzar machos de olhos pretos heterozigotos às fêmeas de olhos pretos, também heterozigotas. Dessa forma, nas ninhadas você terá uma porcentagem de 50% e 25% de albinos, respectivamente.

Evite cruzar machos albinos às fêmeas albinas, pois a linhagem tende a enfraquecer mais rapidamente a cada geração. Isso inclui problemas com a fertilidade, tamanho, etc.

Fêmeas Snakeskin

snakes-16

As fêmeas das melhores linhagens snakeskins não possuem as nadadeiras de bom tamanho. Por esse motivo, as mesmas têm poucas chances de competir com fêmeas de nadadeiras maiores, de outras linhagens. Mas não deixe de competir, talvez suas fêmeas estejam melhores que as outras competidoras. Também não deixe de selecionar fêmeas com as nadadeiras grandes, pois creio que essas características não atrapalham no crescimento das nadadeiras dos machos.

 

MINHA CRIAÇÃO

snakes-17

Abaixo vou escrever um pouco sobre genética e as minhas maneiras de selecionar as linhagens que atualmente estou mantendo em minha estufa:

Red Lace Snakeskin Ribbon

snakes-18

Essa linhagem foi criada pelos alemães Herman Magoshitz e Detlef Samnet a partir de cruzamentos entre fêmeas Moscow Red Lace Snakeskin (Metal Red Lace Snakeskin), da linhagem de Detlef e machos Lace Snakeskin.

Sabe-se que essa linhagem é extremamente compatível com os metal lace snakeskins e com os lace snakeskins, ou melhor, essa linhagem é lace snakeskin, porém vermelha.

Basicamente, para manter essa linhagem, deve-se selecionar machos com um ótimo padrão snakeskin, ou seja, que contenham “ligação de elos” ou “rosetas” em todo o corpo e de preferência ininterruptas. As nadadeiras dos machos devem ser ao mesmo tempo vermelhas e conter minúsculas pintas pretas, fazendo assim com que o padrão continue lace. Muitos machos possuem a cor no centro da caudal amarela e as extremidades vermelhas. Para melhorar isso, deve-se além de selecionar machos com a caudal toda vermelha e lace, selecionar fêmeas com as nadadeiras vermelhas mas translúcidas e que tenham não só as extremidades da caudal vermelha, mas toda ela.

Somente selecionando fêmeas com o centro da caudal vermelha translúcida, os machos gerados a partir dela terão a caudal toda vermelha e lace.

Concentre-se também na combinação de cores da caudal e da dorsal de ambos os sexos. Os machos e as fêmeas devem ter a dorsal da mesma cor da caudal.

Não se esqueça que os snakeskins tendem a não ter as nadadeiras grandes, portanto selecione os machos com a maior e a mais larga dorsal e com a maior e mais larga caudal, isto é, deve-se selecionar os machos com a dorsal na proporção de três unidades de comprimento para uma unidade de largura e com a caudal delta na proporção de uma unidade de comprimento do corpo para uma unidade de comprimento da caudal e de, no mínimo, 60 graus de abertura, respectivamente.

Isso vale para todas as linhagens snakeskins, principalmente as lace.

Sempre use fêmeas ribbons (longfins) para as mesmas sempre gerar 50% shortfins (não ribbons) e 50% longfins (ribbons). Antes de escolher as reprodutoras, coloque as melhores num recipiente que dê para você vê-las por cima. Então selecione as que tiverem as nadadeiras peitorais também alongadas.

A cor secundária, ou seja, a cor entre as “rosetas” e “ligação de elos”, deve ser homogênea e não deve ter manchas vermelhas ou tons roxos. Ao selecionar a fêmea, selecione uma que não tenha a parte acima do pedúnculo ou o pedúnculo vermelho.

snakes-19

Percebi que quando seleciono fêmeas com o pedúnculo vermelho, estas produzem machos com tons roxos entre as “rosetas” do pedúnculo caudal. Com isso o macho perde a intensidade de seu padrão snakeskin.

Fêmeas com padrão snakeskin no pedúnculo podem ser cruzadas, mas ainda não sei ao certo se fêmeas assim são boas ou ruins.

Em alguns machos desta linhagem, a caudal tem uma falha no centro (estilo caudal Lira) quando jovem. Porém quando mais velho, a caudal torna-se Delta. Para eliminar esse problema da mesma, deve-se descobrir a fêmea que gera machos que não tenham essa falha, pois o gene que apresenta esse defeito está nas fêmeas.

snakes-20

German Red Albino Lace Snakeskin Ribbon

snakes-21

O método anterior também vale para esta linhagem. Mas para essas linhagens albinas serem mantidas, deve-se preferencialmente cruzar machos de olhos pretos heterozigotos (portadores de albino) às fêmeas albinas (olhos vermelhos) ou cruzar machos de olhos pretos heterozigotos às fêmeas de olhos pretos, também heterozigotas. Assim nas ninhadas você terá uma porcentagem de 50% e 25% de albinos, respectivamente.

Evite cruzar machos albinos às fêmeas albinas, pois a linhagem tende a enfraquecer mais rapidamente
a cada geração. Isso inclui problemas com a fertilidade, tamanho, etc.

Lace Snakeskin

snakes-22

Essa linhagem é originária do criador Hans Großmann de Dresdener, Alemanha, mas estava sendo criada pelo Gernot Kaden quando eu a adquiri.

Essa linhagem é excelente na densidade (quantidade) e intensidade (luminosidade, homogeneidade) de cor, pois os machos são de uma cor só e com o padrão snakeskin da boca ao final das nadadeiras.

Também é excelente no formato de paralelogramo da dorsal, no formato do corpo e caudal, no fino padrão snakeskin do corpo, no fino padrão lace das nadadeiras e no excelente tamanho do corpo, muito difícil de ser encontrado.

Basicamente, para manter essa linhagem, deve-se selecionar os machos com as características acima, além da dorsal grande e larga na proporção de três unidades de comprimento para uma unidade de largura. Caudal delta na proporção de uma unidade de comprimento do corpo para uma unidade de comprimento da caudal e de, no mínimo, 60 graus de abertura, respectivamente.

snakes-23

A dorsal de ambos os sexos devem ser em forma de paralelogramo. Nunca vi em nenhuma outra variedade um formato de dorsal tão bom como a desta linhagem. Então, percebi que selecionando fêmeas com a dorsal deste formato, os guppies gerados também terão formato muito bons. Mas se selecionarmos apenas fêmeas com a dorsal grande, sem observar o seu formato, teremos machos com a dorsal retangular e bordas arredondadas, ou sem forma definida.

Selecione as fêmeas que tiverem o corpo grosso, isto é, curtas e grossas. O pedúnculo caudal deve ter três unidades de comprimento para duas unidades de largura. Essas produzem machos fortes e com o pedúnculo caudal também grosso. Não selecione aquelas fêmeas compridas e finas.

Eu gosto de selecionar os peixes quando estão dormindo, pois eles ficam mais parados e mais escuros. As fêmeas, por exemplo, apresentam melhor as cores no corpo e nas nadadeiras quando estão dormindo, por esse motivo, fica mais fácil para selecionar aquela que tem menos manchas e cores nas nadadeiras, e aquela que tem padrão snakeskin no pedúnculo caudal.

As melhores fêmeas são aquelas que tiverem as nadadeiras transparentes e sem cor ou padrão algum. Estas geram machos com excelente cor nas nadadeiras.

Dizem que as fêmeas que produzem melhores lace snakeskin são as que possuem a caudal redonda ou quadrada. Mas eu nunca observei nenhuma mudança em meus machos, selecionando ou não, fêmeas com as nadadeiras desse formato.

Basicamente, deve-se selecionar os machos por volta de oito meses de idade e as fêmeas por volta de quatro meses de idade, pois o crescimento dos peixes desta variedade é muito lento.

Se quiser peixes para campeonatos, selecione-os na idade para irem aos shows, pois existem criadores que selecionam os peixes muito cedo e quando mais velhos estão corcundas, a dorsal não cresceu como o esperado, a caudal dobrou, o peixe não suporta o peso da caudal ou outro peixe descartado está melhor que o seu selecionado, etc. Isso acontece demais. Lembre-se disso e o mesmo vale para todas as outras linhagens.

 

CRUZAMENTOS MAIS INDICADOS PARA OUTCROSS

snakes-24

Estas são as principais razões para se fazer outcross:

Caso necessite cruzar o macho adquirido num show, por exemplo, a uma fêmea de outra linhagem;

Para criar sua própria linhagem;

Quando a linhagem que você mantém não produz as características que você deseja (nadadeiras largas, tamanho grande, etc.), pois o gene dessa característica não está presente na linhagem;

Quando você está tendo problema com uma linhagem pura, como infertilidade, tamanho pequeno, etc;

Se quiser produzir grandes peixes híbridos para show.

Mas todos esses cruzamentos devem ser previamente estudados, para saber as conseqüências nas linhagens resultadas desse outcross. Por isso, aconselho ler o excelente artigo escrito pela Midge Hill que está publicado no site da IFGA, “How to Outcross Guppy Strains” (http://ppga.tripod.com/midgehilloutcross.html).

Grass

snakes-25

A maioria das linhagens grass possuem as nadadeiras grandes e com um padrão de pintas bem pequenas e uniformes. Cruzando seus peixes à essa variedade, pode conseguir aumentar o tamanho geral, principalmente das nadadeiras dos seus snakeskins. Caso sejam mosaico, você pode também melhorar o padrão de desenhos nas nadadeiras, aumentar o vigor, fertilidade, etc. Para isso você deve cruzar machos snakeskins às fêmeas grass e vice-versa. A partir daí, selecione os snakeskins com as características desejadas.

Galaxy

snakes-26

Os galaxies e os medusas foram desenvolvidos a partir de lace snakeskins e platinuns, portanto são compatíveis aos snakeskins. Cruzando seus peixes à essa variedade, pode conseguir aumentar o tamanho geral, principalmente das nadadeiras dos seus snakeskins, aumentar o vigor, fertilidade, etc.

Para isso você deve cruzar machos snakeskins às fêmeas galaxies ou medusas, e vice-versa. A partir daí, selecione os snakeskins com as características desejadas.

Metal Snakeskin

snakes-27

O metal, assim como o half-black, cobre o padrão snakeskin da metade superior do corpo do guppy.

Por esse motivo, não deixam de ser snakeskins e são ótimos para produzir peixes maiores, mais resistentes, etc. Cruze machos snakeskins às fêmeas moscow snakeskins e vice-versa. A partir desses cruzamentos, selecione os peixes com as características desejadas.

Albino Super White

snakes-28

Dizem, eu não posso afirmar com certeza, que cruzando-se snakeskins aos albinos super white, os snakeskins são revigorados, aumentando a variabilidade genética e assim, melhorando a linhagem.

Isso tudo deve acontecer pelo falo do albino super white ser tri-recessivo.

Half-Black

snakes-29

O half-black cobre o padrão snakeskin da metade inferior do corpo do guppy. Cruzando snakeskins aos half-blacks, de preferência o h/b pastel, os snakeskins são revigorados na F2, pois os half-blacks não alteram a cor dos snakeskins, mas podem modificar o formato das nadadeiras. Assim, são ótimos para aumentar o tamanho, fertilidade, vigor, etc. da linhagem.

Cruze machos snakeskins às fêmeas half-black. A F1 será toda de H/B Pastel, porém com as nadadeiras manchadas e com um pouco de padrão snakeskin na cabeça. Cruze irmãos às irmãs ou os machos snakeskins originais às fêmeas h/b aoc F1 e terá snakeskins com maior qualidade.

Outras Linhagens Snakeskin

snakes-30

Os melhores outcross é quando são cruzados peixes da mesma variedade, mas de linhagens diferentes. Por exemplo, lace snakeskins japoneses à lace snakeskins alemães. A variabilidade genética aumenta nesses cruzamentos. Assim, fica mais fácil de selecionar, pois você tem mais opções, mais combinações de genes, etc.

Procure deixar os peixes homogêneos de cor, evite cruzar snakeskins coloridos e bicolores. Fêmeas lace costumam não ter um tamanho de corpo muito bom, portanto elas podem ser cruzadas aos machos mosaicos para melhorarem seu tamanho.

 

CONCLUSÃO

snakes-31

Acredito que o momento mais importante de uma criação é a seleção dos reprodutores. Siga algumas regras e você os escolherá corretamente.

Nos machos elimine os que forem menores, pequenos, finos, estilo frágil, fracos, magros, desnutridos e
com a dorsal e caudal pequenas, não importando como agradável possam ser. Retire os peixes com deficiência no padrão de cores, isto é, coloridos, manchados, não homogêneos de cor, com pintas grandes, rosetas largas e deformidades em geral (na cabeça, dorso arqueado em forma de bacia, cabeça chata, corcunda, torto, etc.).

Desses que sobraram, selecione os maiores peixes (corpo grande e grosso), os com melhor comportamento (boa apetite alimentar e sexual, nado perfeito, etc.), aparência geral (dorsal empinada, corpo ereto, caudal empinada, etc.), formato (ângulo caudal largo, ângulo caudal superior igual ao ângulo inferior, formato de triângulo, dorsal em paralelogramo, pontas não arredondadas na dorsal e caudal, etc.) e padrão de cores (nadadeiras exteriores com cor, extremidades da dorsal não muito escura, desenhos no dorso e barriga, dorsal combinando com a caudal, etc.).

Desse grupo, selecione os dois maiores machos e os dois machos com a melhor cor.

Nas fêmeas, elimine as menores, curtas e finas, magras e com o pedúnculo caudal fino. Em seguida retire as fêmeas com deformidade no corpo (na cabeça, dorso arqueado em forma de bacia, cabeça chata, corcunda, torta, etc.), nadadeiras e padrão de cores indesejadas (nadadeiras coloridas, opacas (se forem lace), half-black, iridescente, etc.). Então selecione as fêmeas com melhor comportamento (boa apetite alimentar, nado perfeito, etc.), aparência geral, formato (corpo parrudo e gordo, pedúnculo caudal de duas unidades de largura para três unidades de comprimento, caudal larga e arredondada, dorsal grande e em forma de paralelogramo, etc.) e padrão de cores (nadadeiras translúcidas (se forem lace), sem manchas, padrão snakeskin no pedúnculo, etc.). Deste grupo, selecione as duas maiores fêmeas e as duas com melhor cor.

Espero que esse artigo tenha esclarecido algumas dúvidas e desta forma produzam melhores snakeskins.

Autor: Michel Bruno Ferreira (Piscicultura Michel Bruno)

Tags:
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.307 outros seguidores